Lançamento do livro “Teatro Popular de Ilhéus 25 anos” acontece dia 06

O livro “Teatro Popular de Ilhéus – 25 anos”, sobre o grupo baiano que em 2020 chegou à marca de 25 anos de atividades ininterruptas, lança Pedro de Albuquerque Oliveira como autor. O ator e jornalista assina essa obra que revela a trajetória do Teatro Popular de Ilhéus (TPI) – o grupo que desafiou a lógica do fazer teatral em terra de coronéis.

Escrito de forma leve e convidativa, o livro surge a partir da pesquisa do autor na conclusão da Pós-Graduação em Gestão Cultural (UESC). Um trabalho responsável que ainda oferece uma pesquisa historiográfica do teatro no mundo (com destaque para o teatro popular) e sobre Ilhéus, cidade do litoral sul da Bahia que ficou conhecida (não por acaso) como a terra dos coronéis.

Pedro diz que “lembrar da história construída pelo TPI é respeitar, antes de tudo, o fazer teatral de um povo livre. Uma população de homens e mulheres afro-indígenas que trazem a cultura popular como identidade e pertencimento”. A apresentação do livro é assinada por Romualdo Lisboa, Diretor Artístico do TPI e responsável pela curadoria das fotos e imagens do livro, além da editoração.

A proposta prevê a doação de 700 (setecentos) livros para a rede pública de ensino na Bahia (incluindo bibliotecas públicas e universitárias) além da disponibilização da obra, em formato PDF, no site do grupo. A publicação é fruto da Editora Teatro Popular de Ilhéus. Instituições públicas ou professoras e professores da rede pública de ensino no Estado da Bahia podem solicitar o acesso gratuito a exemplares do livro mediante requerimento através do e-mail [email protected].

Para lançar oficialmente o livro, uma live de lançamento será realizada no dia 06 de abril (terça-feira), às 19 horas, no canal do Teatro Popular de Ilhéus, através do link youtube.com/teatropopulardeilheus. Na oportunidade, o autor baterá um papo sobre o trajeto da sua pesquisa e escrita do livro.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.


Show da banda Manzuá encerra 7º Festival de Cinema Baiano, neste sábado (27)

O link para a live show já está disponível: https://youtu.be/_MbYDyvBY8I .

Banda Manzuá_foto Alisson Fagundes.jpeg
Foto: Alisson Fagundes

banda Manzuá, de Itabuna-BA, encerra o 7º Festival de Cinema Baiano (Feciba) neste sábado (27), às 16h, com show ao vivo transmitido pelo canal www.youtube.com/feciba. A apresentação marca, ainda, o lançamento do álbum autoral “Manzuá”, e finaliza em alto estilo os 12 dias de Festival, que este ano ganhou versão online, disponibilizando para o mundo os 50 filmes produzidos por baianos, além de 20 debates e quatro oficinas.

Os 10 longas, 10 médias e 30 curtas-metragens que estão na grade de programação ainda podem ser assistidos até às 22h desta sexta-feira (26), no site www.feciba.com.br/2021. Também é possível aproveitar os dois últimos debates  “Cinema e escola: a função didática dos filmes”, que acontece às 14h; e “Documentários baianos: entre o real e o ficcional”, que começa às 17h.                       

Com o tema ‘Dentro de casa, asa’, esta edição se destaca por conectar os filmes com o público, pela primeira vez, exclusivamente por meio da internet. O evento é uma produção do Núcleo de Produções Artísticas (Núproart) e da Voo Audiovisual e tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal. Acompanhe as novidades também pelo Instagram e Facebook @feciba.


Online Festival de Dança Itacaré mostra obras criadas em paisagens naturais e urbanas

Cidade do litoral sul da Bahia se transforma em palco a céu aberto para danças. Programação do festival começa no sábado (20/mar)

“Em plena pandemia, parecia improvável, mas deu certo!”, celebra Verusya Correia, diretora artística e fundadora do Festival de Dança Itacaré, que nesta edição ganhou o nome de Online Festival de Dança Itacaré.

“Atravessamentos” traz em cena a pojucana Clécia Senna em dança no Farol de Itacaré; Foto: Wilson Oliveira

Com apenas 90 dias para realizar um festival do início ao fim, nesta semana o projeto entra em sua fase final, o encontro virtual com o público. “Em um momento de recolhimento, contração e isolamento, tudo se expandiu”, avalia Richard Melo, gestor de projetos da Ventuna Digital, empresa responsável pela adaptação da versão digital do festival que é realizado há mais de dez anos na cidade do litoral sul baiano.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.

O Festival é uma realização da Prefeitura de Itacaré e Casa Ver Arte.

A partir de sábado (20/mar) será a vez do público conferir as sete obras inéditas criadas especialmente para o Festival em paisagens naturais e urbanas em colaboração com artistas da Bahia. A programação também oferece oficinas, palestras, encontros, lançamento de livro, exposição e estreia de filmes.

O acesso é grátis e a retirada de ingressos e inscrições podem ser feitas em www.festivaldedancaitacare.com.br.

CRIAÇÃO COLETIVA

Coletivo Trippé, de Juazeiro, na Cachoeira de Cleandro. Foto: Wilson Oliveira

Nesta versão, o Festival em sua convocatória lançou o seguinte desafio aos artistas baianos: a criação coletiva. Ou seja, o evento não receberia obras prontas. Os artistas deveriam estar dispostos a criar coletivamente trabalhos inéditos para paisagens de Itacaré.

“A convocatória foi um sucesso estrondoso”, avalia Rafael Ventuna, diretor técnico do Online Festival. Com 134 inscrições, o chamamento estadual recebeu em onze dias o equivalente à média de recebimento de propostas enviada por artistas de todo o Brasil em anos anteriores. “Muitas inscrições individuais. Apesar da limitação de até três artistas por inscrição, percebemos que ali havíamos iniciado a discussão sobre protocolos de segurança”, ressalta Ventuna.

Após a seleção realizada em janeiro, a primeira quinzena de fevereiro foi dedicada a uma rodada intensa de reuniões virtuais com a equipe que estava espalhada pela Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Goiás. Todas as filmagens foram realizadas em Itacaré na segunda quinzena de fevereiro. Ao todo, sete locações: Praia da Costa (Praia do Pontal), Cachoeira de Cleandro, Bairro Porto de Trás, Fazenda Vila Rosa (Taboquinhas), Praça São Miguel, Farol e Praia de Jeribucaçu.

Para o coordenador de produção Gilmar Silva, o cuidado consigo e com os outros foi fundamental. “Não teve nenhuma intercorrência grave. Entramos sãos e saímos saudáveis”.

A sintonia entre a equipe de fato fez a diferença. “O projeto previa seis danças. Agora são sete danças, um filme e um documentário making of. Este encontro rendeu!”, se alegra Verusya. “Agora, depois de tanto trabalho e dedicação, é ver como o público vai reagir diante destas imagens belíssimas e destes trabalhos tão plurais que dialogam com o tema fronteiras”.


Sesc 24 de Maio recebe a Printa-Feira na Rede entre os dias 19 e 21 de março

Entre os dias 19 e 21 de março, sexta a domingo, a partir das 11h, o canal de Youtube do Sesc 24 de Maio transmite a terceira edição da Printa-feira, convidando 15 artistas e produtores independentes de diversas regiões do país, para apresentarem seus trabalhos ao vivo, além de contarem um pouco sobre seus processos criativos e mostrarem as facetas artesanais de suas produções gráficas – um convite para que o público conheça mais sobre cada uma e visite seus sites e lojas virtuais: uma versão online dos estandes tão queridos e frequentados em nossa Printa-feira presencial.  

Na foto: trabalho gráfico da editora independente Phonte88. Divulgação.

Além das transmissões ao vivo, haverá também no Youtube três bate-papos com 6 editoras independentes, dialogando sobre técnicas para uma boa impressão em risografiaestratégias para começar a publicar e circular, e os desafios da auto-publicação em plataformas de financiamento digital.  

E para aproximar ainda mais o público desse fazer gráfico autoral, convidamos a artista Ale Kalko e o estúdio PSSP para elaborarem uma peça gráfica especialmente para o evento: um fanzine, em que o público poderá imprimir e utilizar sua criatividade e imaginação para montar o seu próprio zine em casa.  A programação da Printa-feira na rede! é livre, gratuita e sem inscrições.  

Sobre a Printa-feira 

É uma feira de arte impressa autoral e publicações alternativas e independentes do Sesc 24 de Maio, realizada desde 2018, em que editoras e artistas gráficos de diversas localidades brasileiras apresentam sua produção ao público, que tem a oportunidade de adquirir as publicações diretamente de quem faz, em um ambiente propício a troca de ideias e bate-papos sobre o fazer gráfico.  A feira tradicionalmente acontece na Área de Convivência do Sesc 24 de Maio, com estandes montados pelos próprios artistas, mas devido ao contexto de pandemia, em 2021 migramos para o ambiente online, com a Printa-feira na Rede!, realizada entre os dias 19 e 21 de março, dentro da programação do FestA! – Festival de Aprender. Saiba mais em sescsp.org.br/festa

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA DA PRINTA-FEIRA NA REDE! 

19/03, sexta, das 11h às 16h 

Transmissões ao vivo no youtube.com/sesc24demaiovideos 

11h – Carimbo, com Combustível Insólito  

11h40 – Quadrinhos e serigrafia, com Gustavo Nascimento   

13h30 – Encadernação, com Mariposa Cartonera   

Bate-Papo em vídeo no youtube.com/sesc24demaiovideos 

15h – Publicar e circular, é só começar? Com Ana Rocha (Polvilho Edições) e Larissa Mundim (Nega Lilu e feira e-cêntrica). Mediação de João Varella.  

Fanzine – faça, imprima e monte em casa. No instagram.com/sesc24demaio 

15h – Publicação da artista Ale Kalko e do Estúdio PSSP 

20/03, sábado, das 11h às 20h 

Transmissões ao vivo no youtube.com/sesc24demaiovideos 

11h – Tipografia, com Heloisa Etelvina   

11h40 – Zine, com PIO! Zines  

13h30 – Estêncil, com Gráficafábrica   

14h10 – Mimeógrafo, com Eliete Della Violla  

16h – Bordado, com Flávia Bomfim  

16h40 – Colagem, com Experimentos Impressos  

Bate-Papo em vídeo no youtube.com/sesc24demaiovideos 

19h às 20h – Riso sem risco: por dentro da risografia; com Estelle Flores (Selva Press) e Renan Costa Lima (Risotropical). Mediação de Cecilia Arbolave.  

21/03, domingo, das 11h às 20h 

Transmissões ao vivo no youtube.com/sesc24demaiovideos 

11h – Zine de fotografia, com Fasso_Zine   

11h40 – Zine de palavra, com Arthur Moura Campos  

13h30 – Livro de artista, com PHONTE88  

14h10 – Risografia, com a margem press   

16h Fotolivro – com Editora Gris  

16h40 – Relevo tipográfico, com Impressões de Minas  

Bate-Papo em vídeo no youtube.com/sesc24demaiovideos 

19h às 20h – A meta desse projeto foi alcançada; com Diana Salu e Marilia Marz. Mediação Cecilia Arbolave.  


Ausência do Carnaval é pauta do Soterópolis da TVE

O Soterópolis desta quinta-feira (11) faz um bate-papo especial sobre a suspensão do carnaval e seus impactos sociais, culturais e econômicos para Bahia, com o presidente do Bloco Afro Ilê Aiyê Antônio Carlos Vovô, com o carnavalesco Leandro Vieira da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, com a gerente de produção da Central do Carnaval Jaqueline Lessa, com o vice-reitor da Universidade Federal da Bahia Paulo Miguez, entre outros entrevistados. A exibição é às 22h.

A maior festa popular do Brasil é uma potência gigantesca que organiza uma cadeia que vai do ambulante que vende a cerveja ao empresário que fabrica as bebidas, da costureira de abadás e fantasias aos donos de camarotes. E para explicar a indústria do carnaval e toda sua cadeia econômica, o Soterópolis conversou com a Jaqueline Lessa da Central do Carnaval, com o economista e pesquisador em cultura e comunicação, o Vice-Reitor da UFBA Paulo Miguez, além do presidente do Bloco Afro Olodum João Jorge e o carnavalesco Leandro Vieira que traz a experiência das escolas de samba do Rio de Janeiro.

Outro destaque, é a ausência das tradições culturais que acontecerá pela primeira vez durante o período momesco. Para falar sobre o hiato cultural deste momento que é necessário para diminuir a contaminação do Coronavírus, o programa vai entrevistar o presidente do Ilê Aiyê Antônio Carlos Vovô que vai contar sobre o significado da interrupção inédita das manifestações simbólicas e de longa tradição na Bahia. Além disso, o Professor Benedito Carvalho, o Bibito, vai conversar com a equipe do programa, sobre a festa em Maragogipe e o sentimento que fica com a suspensão destas atividades históricas.

(mais…)

Projeto Cultura e Arte do Colégio Jorge Amado reúne autores do Sul da Bahia

whatsapp-image-2020-10-14-at-10-13-54

 

O Colégio Jorge Amado, em Itabuna, realiza de 14 a 16 de outubro o projeto Cultura e Arte, que faz parte do planejamento pedagógico anual, em que adota metodologias de ensino que favoreçam o desenvolvimento cognitivo e social dos seus estudantes, e que além de ressignificar o aprendizado, favorece a forma de pensar mais livre, sem tantos preconceitos.

O projeto busca ainda enraizar a cultura sulbaiana e valorizar os escritores regionais, propondo aos estudantes um momento de conhecimento, prazer e arte, através do diálogo com os escritores.

Em função da pandemia do coronavírus, que obriga a um distanciamento social, os bate papos serão transmitidos no perfil do colégio no instagram (@colegiojorgeamadoitabuna).

A mediação será feita por professores do colégio e os convidados, além de discutirem sobre a Literatura Regional, também apresentarão suas obras autorais.

PROGRAMAÇÃO

Dia 14, escritores convidados Ruy Póvoas, às 19 horas, Jailton Alves, às 20 horas, mediadora professora Miralva Moitinho

Dia 15, escritores convidados Daniel Thame às 19 horas, Walmir do Carmo, às 20 horas, mediadora professora Vânia de Jesus.

Dia 15, escritores convidados Iolanda Costa, às 19 horas, e Reinan Braga às 20 horas, mediadora professora Fernanda Brasil.


Festival Literário do Sul da Bahia celebra escritores regionais

650x375_jorge-amado-cultura-literatura_1549143.jpg

           Será realizado entre os dias 24 a 26 de setembro de 2020, com programação totalmente online, o  Festival Literário Sul-Bahia (FLISBA), com o tema Primavera Literária. O evento, que tem o objetivo de ser um espaço de intercâmbio para a promoção da literatura e dos processos criativos dos escritores regionais do Sul da Bahia, inclusive, os novos escritores é uma ação cultural que busca a difusão das artes literárias a partir de uma homenagem a Clarisse Lispector e João Cabral de Melo Neto pelos Centenários de nascimento, num resgate à Jorge Amado e Adonias Filho,  pilares da literatura cacaueira.

            “O FLISBA busca vistas a estimular a leitura, difundir os escritores regionais, desenvolver a aproximação dos agentes culturais do campo da literatura e promover atividades que exercitem reflexões sobre a cultura, questões ambientais, questões ligadas à à diversidade de gênero, uso das redes sociais e tecnologias”, afirma Efson Lima…

            As mesas literárias vão ocorrer pelas tardes e noites. A transmissão das mesas do evento será pelo Youtube, que será retransmitida para o Facebook.  Já as  Oficinas Literárias vão ocorrer no turno da manhã pela plataforma Zoom e terão suas inscrições realizadas de forma antecipada pelo Sympla com datas a serem divulgadas nas redes sociais do evento.

            As pessoas que vão acompanhar as mesas online e possuem interesse em receber certificação poderão fazer a inscrição pela plataforma Sympla pelo seguinte link: https://www.sympla.com.br/festival-literario-sul-bahia—-flisba__969831

            O Festival Literário Sul-Bahia terá um Slam, Slam  Sul Bahia, que também vai receber inscrições. O Edital e o link para as inscrições estão na seguinte página: https://www.sympla.com.br/slam-sul-bahia—flisba__969859 Os vencedores vão receber brindes. As inscrições são gratuitas. Os participantes serão certificados pela participação no Slam.

            O Festival está sendo organizado por  Anarleide Menezes, André Rosa, Aurora Souza, Cremilda Conceição, Efson Lima, Geraldo Lavigne, Hussiane Amaral, Igor Luiz, Indy Ribeiro, Laura Ganem, Luh Oliveira, Magnus Vieira, Ramayana Vargens, Raquel Rocha, Ricardo Dantas, Sheilla Shew, Silmara Oliveira, Sophia Barretto, Tácio Dê e Walmir do Carmo, reunidas no Coletivo FLISBA. São professores, jovens, idosos, homens e mulheres sob  diferentes perspectivas que se juntaram para promover o FLISBA sob o ângulo da literatura, mas com o olhar inclusivo das artes plásticas, música, cinema entre outros.

            Mais informações  podem ser obtidas pelas redes sociais do FLISBA, bem como a  interação do público com as redes sociais é muito importante para o evento. A Organização pede que as pessoas se inscrevam nos canais.

Instagram: @flisba

Facebook:  Flisba

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC2v08TIuCPOU59G_N-33fUw


Prêmio Sesc de Literatura anuncia os vencedores da edição 2020

 Prêmio Sesc de Literatura anuncia os vencedores da edição 2020 Pelo 17º ano, o prêmio Sesc de Literatura revelou dois escritores, nas categorias Romance e Conto. Desta vez, com 1358 livros inscritos, sendo 692 romances e 666 contos, os selecionados foram o capixaba Caê Guimarães, na categoria Romance, por ‘Encontro você no oitavo round’, e Tônio Caetano, na categoria Conto, por ‘Terra nos Cabelos’. O cronograma, por ser executado por trabalho remoto, não foi afetado pela pandemia do novo coronavírus.

Caê Guimarães nasceu em 1970 no Rio de Janeiro. Foi criado no Espírito Santo, onde vive atualmente. É poeta, escritor, jornalista, redator e roteirista. Com “Encontro você no oitavo round”, apresenta uma narrativa que trata de redenção: um pugilista se debate entre um incômodo zumbido e a memória de outra ocupação antes de se dedicar ao boxe. Dias antes da sua última luta, ele conhece uma jornalista disposta a desvendar o que o fez tomar o caminho dos ringues. “Eu recebi com muita alegria a notícia que o meu primeiro romance foi o vencedor do Prêmio Sesc de Literatura. É uma oportunidade muito potente de levar meu trabalho pra outras praças, conhecer autores, públicos e outras formas de fazer literatura e estar no mundo”, afirma Caê.

Tônio Caetano nasceu em Porto Alegre, em 1982. Trabalha como servidor público municipal e é especialista em Literatura Brasileira pela PUC-RS. Já participou de várias antologias literárias. No volume de contos “Terra nos cabelos”, são trilhados diferentes percursos da mulher na nossa sociedade, envolvendo questões que abordam o mundo do trabalho, o primeiro beijo, ritos de iniciação e as violências externas e internas submetidas ao sexo feminino. “A literatura faz parte da minha vida desde a infância. Ganhar o Prêmio Sesc me faz a pessoa mais feliz e também me dá um baita frio na barriga. Eu ainda estou assimilando tudo o que representa este momento. A minha única certeza é que vai me tornar um escritor melhor”, comenta Tônio.


Greg News: delivery

O programa de humor da HBO Brasil o “Greg News” está em sua quarta temporada com apresentação do brilhante profissional Gregório Duvivier. Passou um tempinho fora do Ar devido a quarentena mas está de volta com a gravação na casa do apresentador.

A edição que foi Ar a semana passada denominada de “DELIVERY” abordou a temática  da relação  de trabalho (ausência/exploração)dos entregadores com donos dos grandes aplicativos de delivery do Brasil. Confira a versão disponibilizada na plataforma  YouTube.


Ribeira do Pombal recebe sinal digital da TVE

Resultado de imagem para Ribeira do Pombal recebe sinal digital da TVEOs moradores de Ribeira do Pombal tem acesso a partir desta sexta-feira (6) a toda programação da TVE, com alta qualidade de som e imagem digital. A inauguração do sinal contou com a presença do Governador do Estado, Rui Costa.

Os pombalenses poderão acompanhar todo o conteúdo qualificado e diversificado da tv pública, que vai desde o jornalismo, shows e esportes, a programas infantis, educativos e culturais, através do canal 10.1.

“Pedi para aumentar o conteúdo local e regional na TVE. Eu quero o povo da Bahia se vendo na TV. A gente não pode ficar vendo só o povo do Sudeste na nossa televisão, tem que passar as festas da Bahia, o Carnaval, o São João. Tem que passar os esportes da Bahia. O nosso povo precisa se ver na televisão. Nós aumentamos o conteúdo local e a TVE ampliou muito a audiência. As pessoas cada vez mais assistem a TVE e agora aqui em sinal digital também”, disse o Governador.

O investimento do Governo do Estado na nova estação retransmissora foi de R$ 129 mil, e a implantação faz parte do projeto de expansão do sinal digital que contempla todos os 27 Territórios de Identidade alcançando 5 milhões de baianos no interior.

Há 34 anos no ar, a TVE é a Casa do Futebol baiano, com a transmissão exclusiva de seis campeonatos, além de ser responsável por realizar a maior cobertura do Carnaval, destaca-se também por ser a única a exibir o São João da Bahia e os principais shows que ocorrem no Estado. A emissora também vem firmando parcerias importantes e exibe conteúdos produzidos pelas universidades púbicas estaduais e federais da Bahia, além de conteúdos internacionais.