Começa a temporada de baleias no litoral brasileiro

Começa a temporada de baleias no litoral brasileiro | Brasil: Diario de  Pernambuco

Começou neste mês a temporada das baleias no litoral brasileiro, que se estenderá até novembro. A diretora do Projeto ProFranca, Karina Groch, informou que no caso das baleias Franca, a temporada começou um pouco mais cedo. As primeiras baleias dessa espécie foram registradas no dia 12 de junho. “Desde então, o número vem aumentando”, disse Karina.

Na sexta-feira (16), em sobrevoo na costa catarinense, os pesquisadores avistaram mais baleias na região do que o máximo de ocorrências registradas em setembro do ano passado. “Isso já é um indicativo de que a gente deve ter uma temporada com número maior de baleias do que no ano passado”, estimou a bióloga. 

Em setembro de 2020, no pico da temporada, foram observadas 42 baleias Franca na costa catarinense e gaúcha, sendo 33 em Santa Catarina. Este ano, nessa mesma área, já foram contabilizadas 36 baleias, com auxílio de drones. Segundo Karina Groch, essa espécie está crescendo a uma taxa de 4,8% ao ano.

A baleia Franca é uma espécie ameaçada de extinção. Foi caçada durante quatro séculos e começou recentemente a retornar à costa do Brasil no início da década de 1980. Em 2018, houve um pico de ocorrências, com o recorde registrado de 273 baleias Franca na costa de Santa Catarina. Karina explicou que as flutuações estão relacionadas ao ciclo reprodutivo da espécie, que ocorre a cada três anos, quando as fêmeas vêm para o litoral brasileiro para ter os filhotes. A vinda ao país para o nascimento dos filhotes tem a ver também com a disponibilidade de alimentos na Antártida. “Anos que têm mais alimento, vêm mais baleias para cá; anos que têm menos alimentos, vêm menos baleias para cá, porque elas vêm especificamente para o nascimento dos filhotes”, explicou a diretora do ProFranca.

As primeiras baleias Franca que chegaram nesta temporada foram duas fêmeas adultas grávidas, já catalogadas pelo programa. Poucos dias depois, uma delas foi avistada com filhote. “É mais uma evidência de que elas chegam aqui grávidas e poucos dias depois o filhote nasce”. A principal área reprodutiva da baleia Franca no Brasil é o litoral centro-sul de Santa Catarina, onde existe uma unidade de conservação federal que protege a principal área de ocorrência da espécie.(Agência Brasil)


Policiais dizem ter atirado 125 vezes durante ação para prender Lázaro Barbosa

do G1

Lázaro Barbosa — Foto: Reprodução

A polícia disse ter atirado 125 vezes durante a ação para prender Lázaro Barbosa, conforme cita o boletim de ocorrências obtido pelo G1. O criminoso morreu após a troca de tiros na manhã desta segunda-feira (28) depois de 20 dias fugindo de uma força-tarefa com mais de 270 agentes.

A Secretaria de Saúde de Águas Lindas informou que criminoso foi atingido com pelo menos 38 tiros, mas só a perícia vai poder confirmar.

De acordo com relato da Polícia Militar, os tiros foram efetuados pelas pistolas Sig Sauer calibre 9mm, Taurus calibre 9 mm e um fuzil calibre .556.

O secretário de Segurança Pública Rodney Miranda afirmou, na manhã desta segunda-feira (28), que Lázaro Barbosa descarregou uma pistola contra os policiais ao ser encontrado em Águas Lindas de Goiás, no entorno do DF.


Morre, aos 69 anos, o escritor e jornalista Artur Xexéo

Artur Xexéo em programa da GloboNews. — Foto: Reprodução/GloboNews

O escritor e jornalista Artur Xexéo morreu neste domingo (27) aos 69 anos. Ele estava internado na Clínica São Vicente, na Zona Sul do Rio.

Xexéo foi diagnosticado com um câncer tipo linfoma não-hodgkin de célula T duas semanas atrás. Na sexta (25), teve uma parada cardiorrespiratória e, na noite deste domingo, não resistiu.

Entre os seus livros estão “Janete Clair: a usineira de sonhos”, “O torcedor acidental (crônicas)” e “Hebe, a biografia”.

Colunista do jornal “O Globo” e comentarista da GloboNews, ele também teve passagens por “Veja” e “Jornal do Brasil”. Desde 2015, participava da transmissão do Oscar na Globo. Também ficou conhecido no rádio. Na CBN, estreou ao lado de Carlos Heitor Cony como comentarista.

“Tudo que eu faço, o que eu edito, o que eu escrevo, é em nome do leitor. Então eu acho que ele tem o direito de reivindicar, de gostar, de não gostar, de reclamar, de escrever, de se colocar, de se posicionar, eu gosto de participar dessa troca”, afirmou, durante uma das várias entrevistas concedidas na carreira.

Quando jovem, Xexéo chegou a iniciar um curso de engenharia, mas desistiu sem concluir. Aí, entrou em comunicação social, em jornalismo. Mas só no terceiro ano de faculdade ele criou gosto pela profissão. “Já no terceiro ano de faculdade, aí eu gostei, comecei a achar aquele mundo interessante, aquele mundo fascinante, mas tudo teoricamente, não era nada prática”, disse, em entrevista.

Xexéo começou no “Jornal do Brasil” em 1978 como repórter na sucursal do Rio de Janeiro. Conheceu o jornalista Zuenir Ventura e, em 1982, foi convidado para trabalhar na revista “IstoÉ”. Em 1985, virou subeditor da Revista de Domingo, suplemento cultural do Jornal do Brasil.

Também foi editor do Caderno B, do caderno de Cidade e subsecretário de redação. Em 1992, foi convidado para ser um dos colunistas do jornal. Em 2000, mudou de casa. Virou colunista do jornal “O Globo”. Foi também editor do suplemento Rio Show e do Segundo Caderno.(G1)


Salles entrega passaporte à Polícia Federal

Ricardo Salles

Após decisão da ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia, o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles entregou seu passaporte à Polícia Federal nesta sexta-feira (25), informou a corporação.

Além disso, o nome de Salles foi inserido no Sistema de Tráfego Internacional para restrição de saída do país.

Salles é alvo de investigações pela suspeita de favorecer empresas envolvidas com a exportação ilegal de madeira nativa.


Novas regras de trânsito começam a ser aplicadas na próxima segunda-feira

A lei federal 14.071/20, que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), começa a valer na próxima segunda-feira (12). Entre as principais mudanças estão a ampliação da validade da carteira de habilitação (CNH), o aumento na pontuação necessária para a suspensão do direito de dirigir e maior rigor na punição da Lei Seca.

Para o diretor-geral do Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran-BA), Rodrigo Pimentel, a nova lei traz avanços e um tema que preocupa. “O rigor para quem comete crime de trânsito sob o efeito de álcool, ajuste na regra da cadeirinha e ampliação de prazos são aspectos positivos. Já a pontuação na CNH poderia ter sido discutida de forma bastante criteriosa, já que o Brasil ainda registra mais de 30 mil mortos no trânsito por ano, o que seria motivo para endurecer as regras e não flexibilizar”, pontuou. As mudanças estão disponíveis no site do órgão (www.detran.ba.gov.br).

Confira algumas das novas regras de trânsito:

  • CNH – carteira passa a ter validade de 10 anos, para condutores com menos de 50 anos de idade;
  • Pontuação – aumenta de 20 pontos para 40 pontos o limite que leva à suspensão da CNH, para motoristas que não cometerem infração gravíssima, no período de 12 meses;
  • Cadeirinha – torna obrigatório o uso da cadeirinha no banco traseiro, para crianças até 10 anos, que não tenham atingido 1,45m de altura;
  • Veículos – prazo para comunicação de venda aumenta de 30 dias para 60 dias;
  • Lei Seca – motorista que cometer homicídio culposo dirigindo sob o efeito de álcool não poderá ter a pena de prisão convertida em restrição de direitos, como perda de bens e prestação de serviços à comunidade

Codevasf investiu cerca de R$ 2 bilhões em obras de infraestrutura e aquisição de máquinas e equipamentos em 2020

Concurso Codevasf: companhia poderá ter atuação ampliada

Cerca de R$ 2 bilhões foram empenhados pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) ao longo de 2020 para execução de obras de infraestrutura e aquisição de máquinas e equipamentos na área de atuação da empresa. O aporte de recursos do governo federal, por meio da Companhia, é destinado a obras e projetos de pequeno, médio e grande porte, principalmente ações de segurança hídrica, pavimentações, qualificação urbana e rural e operação do Projeto de Integração do Rio São Francisco com as Bacias do Nordeste Setentrional (Pisf), entre outros empreendimentos.

A maior parte dos recursos é oriunda do Orçamento Geral da União, repassada à Codevasf por meio de emendas parlamentares e Termos de Execução Descentralizada (TEDs). Os dados são da Área de Desenvolvimento Integrado e Infraestrutura, setor da empresa responsável pelas ações.

“Como um dos braços executores do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), pasta à qual a empresa é vinculada, a Codevasf executa um importante papel ao investir em obras de infraestrutura, impactando positivamente as regiões atendidas, com a construção de canais e adutoras, poços, pavimentações e outras intervenções. São obras que resultam em crescimento econômico, geração de renda e melhoria da qualidade de vida de milhões de pessoas”, explica Marcelo Moreira, diretor-presidente da Companhia.

Cerca de R$ 1,4 bilhão foi empenhado para elaboração de projetos e execução de obras. Entre eles destaca-se o Sistema Seridó, no Rio Grande do Norte. A Codevasf emitiu recentemente ordem de serviço para elaboração do projeto executivo para a execução da obra, que vai abastecer cerca de 280 mil pessoas em 24 municípios potiguares. A estimativa é que o governo federal invista cerca de R$ 280 milhões para a construção de mais de 330 quilômetros de canais adutores, estações de bombeamento, de tratamento e de pontos de captação de água.

“Ainda como estratégia do governo para estimular o crescimento econômico, cerca de R$ 160 milhões foram investidos em obras de infraestrutura hídrica para levar água a quem precisa e promover o desenvolvimento regional”, explica Antônio Rosendo Neto Júnior, diretor da Área de Desenvolvimento Integrado e Infraestrutura da Codevasf.


Governadores prometem pagar 50% de custos de municípios para acelerar vacinação

Governador decreta novo lockdown no Piauí para evitar caos no sistema de  saúde - Política
Governador do Piauí, Wellington Dias (PT)

Com o anúncio da chegada até este domingo (21) de mais 5 milhões de doses de vacina contra Covid-19, governadores preparam uma força-tarefa para acelerar a imunização nos municípios.

Governos estaduais prometem pagar metade dos custos de logística de aplicação nos municípios. A medida foi articulada pelo Fórum de Governadores em conjunto com o Conass (Conselho Nacional de Secretários de Saúde) e Conasems (Conselho Nacional de Secretarias municipais de Saúde).

Segundo dados atualizados até sábado (20), a vacinação atingiu 7,3% da população adulta, com 11,7 milhões de pessoas imunizadas com a primeira dose. Somente 2,6% da população adulta recebeu a segunda dose.

A meta dos governadores é acelerar a vacinação nesta semana para atingir 10% da população até 31 de março, segundo o governador do Piauí, Wellington Dias (PT). Ele é o coordenador da temática de vacina no Fórum dos Governadores.

Dessa forma, governadores esperam, com a iniciativa, garantir a vacinação de mais 8 milhões de pessoas até o fim deste mês. A ideia é que os estados ajudem as prefeituras em 50% dos gastos com contratação de equipes para postos de vacinação, combustível, divulgação, compra de equipamentos de proteção e outras necessidades no processo.

De acordo com a equipe de Wellington Dias, ainda não há estimativas de custos para os estados nessa operação.

“Queremos alcançar 21 ou 22 milhões de brasileiros vacinados [até o fim do mês]”, diz o governador do Piauí, em vídeo de divulgação. “O objetivo aqui é uma meta de, nesta semana, vacinar 2% da população”.

A iniciativa vem depois que o Ministério da Saúde anunciou, neste sábado, a distribuição aos estados de mais 5 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19. A orientação é que todos esses imunizantes sejam aplicados como primeira dose, sem reserva, portanto, para a segunda aplicação.

A previsão é de que as doses sejam distribuídas até domingo (21), de forma proporcional aos estados. A remessa, segundo nota da pasta, envolve imunizantes da Coronavac e da Atrazeneca/Oxford e será destinada a profissionais de saúde, idosos de 70 a 74 anos e comunidades ribeirinhas e quilombolas.

A pasta também anunciou que recebe neste domingo a primeira remessa de vacinas adquiridas por meio do consórcio global Covax Facility. Serão 1.022.400 milhão de doses do imunizante AstraZeneca/Oxford, fabricado na Coreia do Sul.

O governo Bolsonaro tem sido cobrado pelas deficiências no plano de vacinação contra o coronavírus, resultado de atrasos em contratos, problemas logísticos e discurso contrário à vacina por parte do presidente Bolsonaro. O país vive seu pior momento na pandemia.

Em fevereiro, o Fórum de Governadores precisou recorrer a parlamentares para marcar uma reunião no Ministério da Saúde para cobrar um cronograma de entrega das vacinas.


Ministério divulga critérios para rádios migrarem de AM para FM

Ministério divulga critérios para rádios migrarem de AM para FM; Bahia tem 4 na lista

O Ministério das Comunicações publicou na última sexta-feira (5) uma portaria que estabelece critérios para que 66 emissoras de rádio de amplitude modulada (AM) regularizem a migração para frequência modulada (FM). Dentre elas, 4 estão na Bahia.

A radio Independência do São Francisco de Juazeiro, a rádio Morro Verde de Mairi, a Jacuípe Sociedade Civil de Riachão do Jacuípe e a rádio Jornal de Souto Soares de Souto Soares são as baianas na lista.

A migração de rádios de AM para FM é uma demanda das emissoras, que há anos sofrem com a perda de audiência, maior suscetibilidade a ruídos e interferências, além dos altos custos de instalação e manutenção de estações e de consumo de energia elétrica para a operação.

Para concluir a mudança do sinal AM para FM, as interessadas devem acessar um sistema eletrônico disponibilizado pelo Ministério das Comunicações e incluir a documentação requerida, que inclui, por exemplo, prova de regularidade fiscal com o Poder Público e prova de inexistência de débitos trabalhistas, entre outras. Após essas etapas, as entidades são notificadas para realizar o pagamento para a adaptação da outorga e, por fim, o canal que era ocupado em AM é devolvido à União.

De acordo com o Ministério das Comunicações, até agora já foram recebidos 1.655 pedidos de migração de AM para FM, dos quais cerca de 850 já estão concluídos. Devido à grande quantidade de solicitações e ao pouco espaço do espectro de radiofrequências em FM, a pasta autoriza utilização de uma faixa de frequência adicional compreendida entre 76 e 88 MHz, conhecida como “faixa estendida”.


Falta um mês para o fim do prazo de inscrições para o Prêmio ANA 2020

Falta um mês para o fim do prazo de inscrições para o Prêmio ANA 2020, edição histórica que também celebra as duas décadas de atuação da Agência Nacional de Águas (ANA) em prol do desenvolvimento do Brasil. As boas práticas no uso da água e na divulgação sobre o tema podem ser inscritas até 31 de julho gratuitamente pelo hotsite www.ana.gov.br/premio. Os vencedores das oito categorias ganharão o exclusivo Troféu Prêmio ANA. Uma novidade dessa edição histórica é que os três finalistas de cada categoria poderão utilizar em seus materiais de divulgação o “Selo Prêmio ANA: Finalista” ou o “Selo Prêmio ANA: Vencedor”, conforme o resultado final do concurso.

A premiação é realizada pela Agência Nacional de Águas para reconhecer trabalhos que contribuem para a segurança hídrica, gestão e uso sustentável das águas para o desenvolvimento sustentável do Brasil. Segundo o regulamento do Prêmio ANA 2020, as oito categorias em disputa são: Governo; Empresas de Micro ou de Pequeno Porte; Empresas de Médio ou de Grande Porte; Educação; Pesquisa e Inovação Tecnológica; Organizações Civis; Comunicação; e Entes do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos (SINGREH).

Dentre as categorias, o Prêmio ANA 2020 teve algumas mudanças em relação à última edição, realizada em 2017. As três categorias segmentadas de imprensa (Impressos e Sites, Rádio e TV) foram agrupadas em Comunicação, que tem um formulário de inscrição específico. Além disso, os conteúdos e materiais jornalísticos precisam ter sido veiculados a partir de 1º de julho de 2017.

Já a categoria Ensino foi substituída por Educação, que agora aceita projetos e iniciativas de entidades de ensino não formal, como museus, centros culturais, de ciências, de educação ambiental, bibliotecas, jardins botânicos, zoológicos e planetários. Continuam podendo participar estudantes e profissionais de instituições de ensino médio e fundamental.


Entregadores de apps fazem greve nacional nesta quarta-feira

Como apps de entrega estão levando pequenos restaurantes à ...Da Agência Brasil

Os entregadores de aplicativos promovem uma greve nacional hoje (1º) por melhores condições de trabalho, medidas de proteção contra os risco de infecção pelo novo coronavírus e mais transparência na dinâmica de funcionamento dos serviços e das formas de remuneração.

A paralisação foi chamada por trabalhadores de empresas como Rappi, Loggi, Ifood, Uber Eats e James. Os organizadores argumentam que o movimento foi construído por meio da interlocução por grupos na internet, embora algumas entidades tenham se somado, como associações de entregadores e de motofrentistas.

Os entregadores cobram o aumento das taxas mínimas recebidas por cada corrida e o valor mínimo por quilômetro. Atualmente, eles são remunerados por corrida e pela distância percorrida, e por isso esses dois indicadores acabam definindo o pagamento por cada entrega.

Os trabalhadores reclamam dos baixos valores e da variação deles para baixo. “Tem dia que é R$ 1, tem dia que é R$ 0,50. O Ifood e outras empresas mandam notificação para os clientes falando que já pagam. Não é verdade”, reclama Simões, entregador do Rio de Janeiro e uma das pessoas que está contribuindo com a organização da greve.

Outra reivindicação é a mudança dos bloqueios dos trabalhadores, que consideram arbitrários. Eles criticam o fato de motoristas terem sua participação suspensa ou até mesmo cancelada a partir de critérios não claros e sem a possibilidade de apuração dos ocorridos e de direito de defesa dos envolvidos.

“Elas fazem um bloqueio injusto. Nós dependemos da plataforma pra trabalhar e para levar o sustento para casa. Eu e mais 40 motoboys fomos suspensos na Loggi. Paramos três dias pra reivindicar e, no segundo dia, nos bloquearam. Isso aconteceu no Rio de Janeiro e em São Paulo. No Ifood , você entrega o pedido, o cliente alega que não recebeu, o Ifood manda outro pedido e acaba bloqueando o entregador por 48 horas sem sequer ligar para o entregador”, exemplifica Alessandro Sorriso, da Associação dos Motoristas Entregadores do Distrito Federal.

Tanto em relação à remuneração quanto aos bloqueios, os entregadores questionam a falta de transparência das plataformas, que não deixam claras as formas de cálculo dos pagamentos e os critérios utilizados para a suspensão das contas dos trabalhadores.