Não FICC parado, Dance! Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania realiza primeiro evento de dança em Itabuna!

Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania realiza primeiro evento de dança  em Itabuna. – OZI TV

A Fundação Itabunense de Cultura e Cidadania – Ficc, realizará nos dias 8 e 9 de Setembro, o projeto “Não FICC parado. Dance!”, primeiro evento de dança em Itabuna na Gestão de Augusto Castro. A primeira edição conta com a participação de escolas privadas e pública do setor.

A primeira edição do tem como proposta promover, resgatar e difundir os elementos da cultura da dança itabunense. A programação contemplará, na quarta-feira (8), oficinas de danças de ritmos diferentes, dentre eles ballet, dança afro, jazz e dança do ventre. Já na quinta-feira (9), a palestra exclusiva de Ana Botafogo, renomada bailarina brasileira, com uma carreira inspiradora. Essa última será aberta, e, para participar da palestra, os interessados deverão se cadastrar o CADCULTI e reservar a vaga.

Essa é mais uma demonstração da preocupação do Governo de Augusto Castro em difundir a cultura na cidade, promovendo diferentes interações entre as diversas expressões do setorial da dança.

Para o Presidente da FICC, Aldo Rebouças, o “Não FICC Parado, Dance!” sem dúvidas irá difundir a cultura da dança e seu valor educativo entre os cidadãos itabunenses, entendendo esta como uma “expressão cultural marcante, preservando assim a nossa identidade cultural”.


Casos de Covid na Bahia caem mais de 50%

Puxados por tendência de domingos, casos de Covid na Bahia caem mais de 50%

O boletim epidemiológico sobre a Covid-19 na Bahia registrou novos 366 casos da doença neste domingo (22). O número representa queda de 63% em relação ao informado neste sábado (21), que foi de 1.006. Os dados são da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab).

Como há tendência de queda nos registros da doença nos fins de semana, sobretudo aos domingos, os casos de óbitos também tiveram redução. Neste domingo foram relatados 16 ante 20 do dia anterior.

Em relação aos casos ativos – aqueles em condição de transmitir a doença – a Bahia tem 3.508, um pouco menos que os 3.666 do sábado.

Conforme a secretaria, os municípios com maior incidência [risco de adoecer] por 100 mil habitantes foram Maracás (17.869,83), São Felipe (16.109,90), Itabuna (15.914,79), Itororó (15.754,10) e Ibirataia (15.484,59).

Ao longo da pandemia, o estado já acumula  1.214.690 infectados pelo novo coronavírus com 26.276 vítimas causadas.


Ministério da Saúde analisa viabilidade de 3ª dose; idosos receberão reforço primeiro

Ministério da Saúde analisa viabilidade de 3ª dose; idosos receberão reforço primeiro

Caso se comprove cientificamente a necessidade de uma terceira dose da vacina contra a Covid-19, o Brasil vai repetir o esquema adotado na primeira etapa da campanha de imunização e vai aplicar o reforço em grupos prioritários.

Conforme o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em coletiva nesta quarta-feira (18), a terceira dose da vacina será aplicada primeiro em idosos e profissionais da saúde.

O ministro adotou um tom cauteloso e destacou que o Ministério da Saúde pautará a decisão sobre a terceira dose em dados científicos, e que no momento ainda são necessários mais informações sobre o tema. “Estamos planejando para que, no momento que tivermos todos os dados científicos e tivermos o número de doses suficiente disponível, já orientar um reforço da vacina. Isso vale para todos os imunizantes. Para isso, nós precisamos de dados científicos, não vamos fazer isso baseado em opinião de especialista”, disse à imprensa.

“Sabemos que os idosos têm um sistema imunológico comprometido e por isso eles são mais vulneráveis. Pessoas que tomaram duas doses da vacina podem adoecer com a Covid, inclusive ter formas graves da doença. Mas se compararmos os que vacinaram com duas doses e aqueles que não vacinaram, o benefício da vacina é inconteste”, acrescentou o titular do Ministério da Saúde.


Bahia tem queda de casos e mortes por Covid 19 e quase 60% de vacinados

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 638 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,1%) e 1.062 recuperados (+0,1%). O boletim epidemiológico desta segunda-feira (2) também registra 26 óbitos. Apesar de as mortes terem ocorrido em diversas datas, a confirmação e registro foram realizados hoje. Dos 1.194.954 casos confirmados desde o início da pandemia, 1.164.051 já são considerados recuperados, 5.118 encontram-se ativos e 25.785 tiveram óbito confirmado.

boletim epidemiológico contabiliza ainda 1.442.415 casos descartados e 230.715 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta segunda-feira. Na Bahia, 51.442 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Vacinação
Com 6.341.783 vacinados contra o coronavírus (Covid-19) com a primeira dose, dos quais 2.573.787 receberam também a segunda aplicação, e mais 249.741 vacinados com o imunizante de dose única, até as 17 horas desta segunda-feira, a Bahia já vacinou 59,4% da população baiana com 18 anos ou mais (estimada em 11.084.666) com, pelo menos, a primeira dose. A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) realiza o contato diário com as equipes de cada município a fim de aferir o quantitativo de doses aplicadas e disponibiliza as informações detalhadas no painel https://bi.saude.ba.gov.br/vacinacao/.


Boletim da Sesab registra mais 72 mortes por Covid-19 neste sábado

Mais 72 mortes decorrentes da Covid-19 foram registradas no boletim publicado pela Secretaria de Saúde da Bahia (Sesab) neste sábado (10). Com isso, chega a 24.742 o total de vidas perdidas diretamente para a pandemia, de acordo com os números oficiais.

Quanto aos diagnósticos, mais 3.810 casos foram registrados nas últimas 24 horas, o que aponta um crescimento de 0,3%. Desde o início da pandemia, a Sesab já contabilizou 1.155.841 casos de coronavírus, sendo 1.118.995 já considerados recuperados e 12.104 ainda com o vírus ativo.

Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas de hoje. A Sesab pondera ainda que a existência de registros tardios e/ ou acúmulo de casos se deve à sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo que justifica isso é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.


Taxa de ocupação das UTIs cai de 81% para 75% em uma semana na Bahia

A taxa de ocupação das unidades de terapia intensiva (UTIs) exclusivas para atendimento de adultos com Covid-19 está em queda livre na Bahia. Do último domingo (20) para cá (27), o percentual despencou de 81% para 75%, conforme dados da Secretaria Estadual da Saúde (Sesab).

Por outro lado, no caso das UTIs pediátricas, a taxa de ocupação cresceu no mesmo período, de 63% para 77%. Em números absolutos, contudo, as crianças são apenas 27 dos 1.235 pacientes internados com casos graves da Covid-19.

Os leitos clínicos para adultos possuem taxa de ocupação de 58%, enquanto as enfermarias pediátricas registram um percentual de 73% de vagas ocupadas, de acordo com a Sesab.

REGULAÇÃO

A Central Estadual de Regulação registrou, ao meio-dia deste domingo (27), 26 pessoas adultas aguardando vaga em unidades de terapia intensiva (UTIs) exclusivas para Covid-19 na Bahia. Há uma semana, eram 75 pacientes na fila.

No mesmo horário, outros 24 pedidos para internação em leitos clínicos adultos Covid-19 estavam no sistema. No último domingo, a Sesab registrou 34 pessoas na fila para uma vaga de enfermaria.(B.N.)


Brasil registra maior média móvel de casos de Covid desde 1º de abril

Após superar a triste marca de 500 mil vítimas da Covid, a situação do país diante dos números da pandemia segue preocupante. Neste domingo (20), o Brasil registra sua maior média móvel de casos da doença em mais de dois meses e meio, o que aponta que o contágio volta a se aproximar do pior ritmo já visto.

O país registrou 1.050 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando neste domingo (20) 501.918 óbitos desde o início da pandemia. Com isso, a média móvel de mortes nos últimos 7 dias chegou a 2.063. Em comparação à média de 14 dias atrás, a variação foi de +24% e indica tendência de alta nos óbitos decorrentes do vírus.

É o quarto indicativo de alta seguido nesse comparativo, e o quinto dia em que a média móvel fica acima de 2 mil mortos.

Os números estão no novo levantamento do consórcio de veículos de imprensa sobre a situação da pandemia de coronavírus no Brasil, consolidados às 20h deste domingo. O balanço é feito a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde.


Médicos chineses alertam para piora de infectados com variante Delta

A variante Delta da Covid-19 está se espalhando na China e provocando uma nova onda de sintomas ainda mais devastadores. De acordo com médicos chineses, foram detectados sintomas diferentes e mais perigosos do que aqueles que viram quando a versão inicial do vírus começou a se espalhar no final de 2019 na cidade central de Wuhan. Cerca de 12% dos pacientes ficam gravemente ou criticamente doentes dentro de três a quatro dias do início dos sintomas.

 Segundo reportagem publicada no jornal o Estado de S.Paulo, a propagação da Delta no sudeste da China concentra a atenção na eficácia das vacinas chinesas.

As autoridades não indicaram quantas das infecções com a variante ocorreram em pessoas que já foram vacinadas. Médicos no Reino Unido e no Brasil relataram tendências semelhantes com as variantes que circularam nesses países, mas a gravidade dessas variantes ainda não foi confirmada.(Brasil 247)


Gacc Sul Bahia capacita profissionais e estudantes de saúde para ajudar na luta contra o câncer

Instituto Ronald McDonald, em parceria com o GACC Sul Bahia, iniciou o Programa Diagnóstico Precoce do Câncer Infantojuvenil em Itabuna, com capacitação online

Com foco em aumentar as chances de cura de crianças e adolescentes com câncer no estado da Bahia, o Instituto Ronald McDonald, em parceria com Grupo de Apoio à Criança com Câncer – Sul Bahia, iniciou em 31 de maio a execução do Programa Diagnóstico Precoce do Câncer Infantojuvenil para profissionais da saúde e/ou estudante de saúde da região sul, extremo sul e Sudoeste do Estado.  A ação tem como objetivo contribuir com o aumento da identificação precoce da doença em crianças e adolescentes por meio de capacitações de pediatras, estudantes de medicina, enfermagem e enfermeiros.

Se você também é profissional e/ou estudante da área de saúde e reside no sul, extremo sul e sudoeste da Bahia, não deixe de participar. Faça parte dessa corrente do bem. Entre em contato através do 73 9114-0758 / [email protected]  e faça sua inscrição para a próxima etapa dos dias 14 e 15 de junho.

“O projeto de detecção precoce é o caminho mais curto para a cura. Com ele, o profissional de saúde pode identificar e referenciar o mais breve possível os sinais e sintomas do câncer infantojuvenil e dessa forma, aumentar as chances de cura das crianças e adolescentes. Por isso, capacitar os pediatras, estudantes de medicina e enfermagem e também os enfermeiros é fundamental para que esse tempo do diagnóstico seja cada vez mais rápido. Nas primeiras aulas tivemos uma excelente participação da turma, foram momentos valiosos e oportunos de troca de conhecimento”, destacou a oncologista pediátrica, Dra Teresa Cristina Cardoso Fonseca.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Brasil, hoje, as chances de cura do câncer em crianças e adolescentes são de 64%. Nos países com alto Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), esses índices podem chegar a 80%. Fundamental para o aumento das chances de cura e resultados positivos ao tratamento oncológico, o tempo de percepção sobre os sinais e sintomas da doença ainda é longo no Brasil, o que resulta no diagnostico em fase avançada da doença, dificultando as chances de cura e resultados positivos de tratamento, além do risco de deixar muitas sequelas nos pequenos pacientes.

“Nós do Instituto Ronald McDonald temos como missão de promover saúde e qualidade de vida para crianças e adolescentes antes, durante e após o tratamento da doença. Por isso trabalhamos com diversos projetos para mudar o cenário dessa que ainda é a enfermidade que mais mata na fixa etária de 01 a 19 anos no país, segundo o Instituto Nacional do Câncer, o Inca”, destaca Francisco Neves, Superintendente do Instituto Ronald McDonald, uma organização sem fins lucrativos que há 22 anos atua para aproximar famílias da cura do câncer infantojuvenil e aumentar as chances de cura da doença no Brasil.

As chances de cura

A chance de sobrevivência média é estimada pelo Instituto Nacional de Câncer (Inca) em 64%. Porém, as chances não são as mesmas em todas as regiões do país. Conforme o levantamento feito pelo Inca, enquanto as chances médias de sobrevivência nas regiões Sul são 75% e na região Sudeste são 70%, nas Região Centro-Oeste, Nordeste e Norte elas são 65%, 60% e 50% respectivamente.

Disseminando o Conhecimento

Criado em 2008, o Programa Diagnóstico Precoce do Câncer Infantojuvenil do Instituto Ronald McDonald visa promover a identificação precoce da doença por meio de capacitações de profissionais da Atenção Básica de Saúde, pediatras da rede SUS e privada, além de estudantes de medicina e de enfermagem. Em 12 anos de programa, o Instituto Ronald já capacitou, em parceria com diversas instituições do Brasil, mais de 27 mil profissionais de saúde, sensibilizando os participantes sobre a importância dos sinais e sintomas do câncer infantouvenil como auxílio para o aumento das chances de cura e impactando mais de 10 milhões de crianças e adolescentes em todo o Brasil. Em 2020, o programa, em uma versão totalmente digital, capacitou 742 estudantes de enfermagem e medicina e residentes em pediatria. Quer saber mais sobre o Programa Diagnóstico Precoce do Instituto? Acesse: www.institutoronald.org.br/.

Sobre o Instituto Ronald McDonald

Organização sem fins lucrativos, o Instituto Ronald McDonald (IRM) há mais de 21 anos atua para aproximar famílias da cura do câncer infantojuvenil e aumentar as chances de cura da doença. Para atingir esse objetivo, o Instituto Ronald McDonald trabalha promovendo a estruturação de hospitais especializados, a hospedagem para famílias que residem longe dos hospitais, a capacitação de profissionais da saúde para realizarem o diagnóstico precoce, incentiva a adesão a protocolos clínicos e promove disseminação de conhecimento sobre a causa. A ONG faz parte do sistema beneficente global Ronald McDonald House Charities (RMHC), presente em mais de 60 países, coordenando os programas globais: Casa Ronald McDonald, voltado para a hospedagem, transporte e alimentação dos pacientes; e o Programa Espaço da Família Ronald McDonald, que torna menos desgastante o dia a dia das famílias durante o tratamento. No Brasil, há ainda outros dois programas locais: Atenção Integral e Diagnóstico Precoce, com ações específicas de combate ao câncer infantojuvenil. O Instituto conta com o apoio de diversas empresas e pessoas físicas para desenvolver e manter seus programas. Saiba mais sobre os programas e as instituições beneficiadas em www.institutoronald.org.br.

Sobre o GACC Sul Bahia

O GACC Sul Bahia é especialmente direcionado ao atendimento de famílias de baixa renda, com a finalidade de garantir o direito ao tratamento do câncer com melhor qualidade de vida, atendendo crianças e adolescentes residentes do interior do estado da Bahia, abrangendo as áreas da região sul, extremo sul, sudoeste e oeste baiano.

E tem como missão amparar crianças e adolescentes acometidos por doenças onco-hematólogicas, mediante ações nas áreas de assistência social e de saúde, em caráter permanente e gratuito.


Bahia tem 1 milhão de casos de Covid

Com mais de 1 milhão de casos de Covid, Bahia chega a 1 milhão de recuperados

A Bahia chegou a marca de 1.000.142 pessoas recuperadas da Covid-19 neste domingo (6), com o acréscimo de 3.318 pacientes já livres da doença no último boletim da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab). Para atingir esse número, foi necessário ter um número elevado de casos.

Só nas últimas 24 horas, mais 3.070 pessoas diagnosticadas com o coronavírus entraram no balanço, elevando para 1.035.524 o número de casos já confirmados em território baiano.

Desse total, 13.633 encontram-se com o vírus ativo, no período da infecção, e 21.749 tiveram o óbito confirmado, 3.070 registradas ontem. Outros 233.905 casos estão em investigação.

Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas deste sábado. Na Bahia, 49.501 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19.

REGULAÇÃO

Até às 12h deste domingo, 155 solicitações de internação em UTI Adulto Covid-19 constavam no sistema da Central Estadual de Regulação. Outros 108 pedidos para internação em leitos clínicos adultos Covid-19 estavam no sistema. A Sesab lembra que esse número é dinâmico, uma vez que transferências e novas solicitações são feitas ao longo do dia.

VACINAÇÃO

Com 3.637.037 vacinados contra a Covid-19, dos quais 1.565.979 receberam também a segunda dose, até as 16 horas deste domingo, a Bahia é um dos estados do país com o maior número de imunizados.

Tem se observado volume excedente de doses nos frascos das vacinas contra a Covid-19, o que possibilita a utilização de 11 e até 12 doses em apenas um frasco, assim como acontece com outras vacinas multidoses. O Ministério da Saúde emitiu uma nota que autoriza a utilização do volume excedente, desde que seja possível aspirar uma dose completa de 0,5 ml de um único frasco-ampola. Desta forma, poderá ser observado que alguns municípios possuem taxa de vacinação superior a 100%.